A cidade de Berlim é um mosaico formado por arquiteturas de diversas épocas. Não é raro, num mesmo quarteirão, existirem edifícios do século 18, 19, 20 e 21. Estes foram ocupando principalmente as lacunas deixadas, em especial, pelos bombardeios da segunda guerra mundial e, um pouco mais tarde, pela divisão da cidade pelo muro.

Esta coexistência nao resulta em conjuntos tao destoantes, mas as reconstruções poderiam ter respeitado mais o preexistente e proporcionar melhor diálogo entre a nova e a antiga arquitetura. É claro que nao se pode esquecer que nem sempre foi possível pensar em termos de conjunto na hora de ocupar estes terrenos vazios, dado o alto índice de destruição da cidade logo após o final da guerra e das situações econômicas e políticas posteriores. Quem vê uma foto aérea de Berlim de logo depois do final da guerra, vai, com certeza, questionar os critérios de tombamento de patrimônio, pois como é possível ter tantos edifícios históricos hoje se pouca coisa sobrou em pé?

Com relativamente pouco restante de um edifício histórico, em Berlim, pode ser considerado patrimônio histórico passível de recuperação. Porém ha casos em que nada sobrou do edifício antigo, mas ele é reconstruído completamente. O caso mais emblemático é o da reconstrução do palácio da cidade (Stadtschloss). Este foi totalmente demolido em 1949, no lugar já existiu uma outra edificação, o palácio da República, e agora está surgindo um novo palácio reerguido com materiais e tecnologias modernas. O edifício de concreto armado vai ter a aparência do seu antecessor, o palácio barroco de 1716. Este servirá no futuro de uma enganação grotesca, pois os mais desavisados, que serão a maioria dos visitantes da cidade, não terão elementos físicos suficientes para discernir.

Quanto à integração, ou diálogo, entre o velho e o novo, um mínimo tem sido garantido pela legislação urbana quanto a gabarito de altura, recuos e leis de paisagem urbana. De qualquer forma as leituras feitas nas experiências realizadas aqui, são diversas e nem sempre concordantes.

Deixe um comentário

*

*