Fotos: Promo …… Der Tagesspiegel

Está a caminho um novo museu em Berlim. No dia 13 de agosto deste ano de 2020, o juri composto por arquitetos e representantes da política e da sociedade, selecionou um vencedor entre nove projetos para o novo museu do exílio, na Anhalter Bahnhof. O vencedor foi Dorte Mandrup de Copenhagem . Os arquitetos tiveram a tarefa de se referir às ruínas do portal de Anhalter Bahnhof e a.
 
O projeto selecionado considera o elevado valor simbólico da ruína da antiga estação Anhalter colocando um corpo de construção côncavo, de cor ocre, atrás do portal.
Nove empresas de arquitectura de renome internacional participaram do concurso. A abertura do novo museu está prevista para 2025.
Serão cerca de 3500 metros quadrados de área útil. Este espaço acolherá áreas como a exposição permanente, exposições especiais, gastronomia e mediação de museus. Uma chamada “sala do lugar” está também prevista no foyer. Aí será apresentada a história da estação de trem Anhalter.
 
Além disso, cerca de 700 metros quadrados serão destinados a atividades culturais e de lazer pelo distrito de Friedrichshain-Kreuzberg e por terceiros. Nos documentos do concurso, as empresas de arquitetura participantes receberam custos de construção de cerca de 27 milhões de euros para a estrutura do edifício e instalações técnicas.
 
“Na sua exposição permanente, o futuro Museu do Exílio centrar-se-á nas pessoas que conseguiram fugir do regime nazista e procurar refúgio no estrangeiro”, dizem os iniciadores. O museu quer dedicar-se às suas histórias de vida. E assim também ao que a Alemanha perdeu com o êxodo dos então protagonistas da fotografia, sociologia, história da arte, arquitetura e ciências naturais e como se aperceberam das suas ideias noutros locais.
A cultura memorial para os emigrantes tinha sido negligenciada em Berlim. Este tópico foi há muito negligenciado na Alemanha do pós-guerra e foi um tema secundário à sombra da recordação do Holocausto. Os recentes movimentos de fuga e migração despertaram uma nova sensibilidade para a expulsão, emigração, exílio e genocídio. O Museu do Exílio concentrar-se-á no exílio depois de 1933, mas sempre com uma ponte para o presente. Acima de tudo, a questão da experiência humana do exílio reúne as histórias do exílio de diferentes tempos e lugares.
 
Para além dos fatos e contextos históricos, muitas biografias individuais serão apresentadas e as vidas intrincadas, trágicas e surpreendentes dos exilados serão rastreadas. O museu concentrar-se-á menos na exposição de objetos e mais no trabalho com meios de comunicação e espaços cenograficamente encenados.
 
Texto original: https://www.tagesspiegel.de/kultur/neues-bauwerk-fuer-anhalter-bahnhof-architekten-fuer

 

Texto original: https://www.tagesspiegel.de/kultur/neues-bauwerk-fuer-anhalter-bahnhof-architekten-fuers-exilmuseum-berlin-stehen-fest/26095620.html

 

3-format3001                                  3-format6001

Deixe um comentário